Não cabemos

Padrão

O que mora na gente é sem palavras.
Cada memória alojada em algum lugar que não sabemos existir. De vez em quando se movimenta e provoca variação de luzes e sombras.
Usamos as palavras na tentativa de criar representações simbólicas, imagens que projetem para o lado de fora aquilo que do lado de dentro não tem formas, nem dimensões.
O que nos habita não cabe em frases, ou pensamentos, ou nenhum tipo de organização intelectual. Cada humano abriga um universo de experiências silenciosas e responde à elas em quase tudo o que faz.
Talvez por isso a constante sensação de que não cabemos em lugar nenhum.

Nossas verdades

Padrão

Você não entende o que eu penso e sua verdade não tem nada a ver com a minha. Somos antagônicos em quase tudo e seu jeito de pensar me causa repulsa. Então desisto de olhar os discursos, me canso dos debates, da irritação, das tentativas de convencimento. Estranhamente substituo a imagem do oponente pela imagem de um humano parecido comigo, mas que se expressa de outro jeito. Ainda não concordo com muito do que você diz, mas que diferença faz? Sua verdade mais profunda superou o verniz das ideias e conectou-se a minha, conectou-se a mim. Agora estamos em movimento e nossas verdades se amplificaram. Do que vale discutir quem tem razão se agora temos consciência do que importa?