Até que eu me cale

Padrão

Trocamos de carro e arrumamos outra mulher, outro marido, outra vida. Mudamos de religião, deixamos tudo de lado e nos transformamos em seres “zen”. Mudamos nossa linguagem, nossos padrões, nosso trabalho e as mudanças nos agradam por um tempo.
Ajudam a estampar um sorriso novo, um olhar esperançoso que adiante será substituído pelo cansaço não confessado, pelas dores latentes que recusamos a admitir.
Empurramos para baixo do tapete e continuamos com nossas dores, silenciosos, em nossa eterna busca até que cesse.
Estava em nós. Tudo dentro. Nossa busca por Deus, por felicidade, por trabalho, por dinheiro, por justiça, por amores… Nossas buscas, todas por nós mesmos, perdidos, fragmentados em uma vida fragmentada.
Damos nomes às coisas de fora, mas dentro da gente elas vivem sem nome, todas eu, todas em mim, silenciosamente angustiadas até serem encontradas. Até que eu me cale.

Navegar pela vida

Padrão

A vida é linda e selvagem.

Como o oceano que atrai e pode nos tragar se negligenciado. Para atravessá-lo é preciso a proteção dos barcos, maiores ou menores, dependendo de nosso conhecimento. Nenhum barco garantirá que chegaremos a outra margem, mas há os que resistem.

Em nossa trajetória pela vida construiremos barcos com palavras, ideias, afetos, ciência, crenças que nos fazem sentir mais ou menos seguros. Navegaremos e a vida seguirá indiferente, como o oceano.

Assustadoramente linda e absolutamente selvagem.

Palavra de ouvinte!

Padrão

Imagine uma rádio que tem harmonia, mas não necessariamente siga uma lógica na programação: J Sebastian Bach e Foo Fighters, Pixinguinha e Ed Sheeran, Haydn e Ira!. Uma rádio que não tenha comercial, mas compartilhe literatura e provocação com pequenos textos de Saramago, Einstein, Fernando Pessoa, Carl Sagan, Nietzchie, Rubem Alves, George Orwell e muito mais. Que esteja 24h no ar, acessível em qualquer parte do mundo, online. Então pare de imaginar e traga a rádio Inverso pro seu dia a dia. Eu, o ouvinte mais assíduo, garanto. 😉 – radioinverso.com

POD 7 – Nascemos pra ser rebanho?

Padrão

Raquel de Queiroz escreveu certa vez que somos como carneiros, nascemos para seguir docilmente qualquer ordem que nos leve a vitória, mesmo que no fim o desfecho seja a morte. Por que somos assim? De onde vem a necessidade de pertencimento? Somos fadados a vivermos em busca de uma causa que justifique nosso rebanho?

Não cabemos

Padrão

O que mora na gente é sem palavras.
Cada memória alojada em algum lugar que não sabemos existir. De vez em quando se movimenta e provoca variação de luzes e sombras.
Usamos as palavras na tentativa de criar representações simbólicas, imagens que projetem para o lado de fora aquilo que do lado de dentro não tem formas, nem dimensões.
O que nos habita não cabe em frases, ou pensamentos, ou nenhum tipo de organização intelectual. Cada humano abriga um universo de experiências silenciosas e responde à elas em quase tudo o que faz.
Talvez por isso a constante sensação de que não cabemos em lugar nenhum.

Nossas verdades

Padrão

Você não entende o que eu penso e sua verdade não tem nada a ver com a minha. Somos antagônicos em quase tudo e seu jeito de pensar me causa repulsa. Então desisto de olhar os discursos, me canso dos debates, da irritação, das tentativas de convencimento. Estranhamente substituo a imagem do oponente pela imagem de um humano parecido comigo, mas que se expressa de outro jeito. Ainda não concordo com muito do que você diz, mas que diferença faz? Sua verdade mais profunda superou o verniz das ideias e conectou-se a minha, conectou-se a mim. Agora estamos em movimento e nossas verdades se amplificaram. Do que vale discutir quem tem razão se agora temos consciência do que importa?