Já que não posso mudar o mundo

Padrão

Nos perdemos acreditando que é possível mudar o mundo.

Não, não é.

Movimentos que tentam mudar o mundo, acabam sucumbindo pela frustração que adiante virará cinismo.

Quantas ideias lindas nasceram em berços de simplicidade e depois cresceram, arregimentaram seguidores, empolgaram, se tornaram grandes e poderosos? Agora trabalham para manterem-se: Viraram um fim em si mesmo. Morreram. Você conhece exemplos.

A esperança de quem pensa que pode transformar a sociedade costuma ser esmagada pelo peso de engrenagens moedoras de sonhos. 

Um idealista que entrar na política será triturado em pouquíssimo tempo. Quem resistirá?

Quando olho para o horizonte acho tudo muito distante e o caminho a percorrer inviável. Reconheço que o horizonte é uma ilusão, que jamais vou chegar aonde o sol se põe. Mas o horizonte me mantem em movimento.

Caminhando percebo que não sou capaz de mudar o mundo, mas há um, porém: tudo o que faço interfere em mundos. Nos meus e dos que cruzam meu caminho.

Os grandes passos capazes de interferir na história são resultado de pequenos passos, pequenos movimentos, pequenas escolhas. Jamais de intenções megalomaníacas.

O micro interfere no macro.

Não creio em pessoas ou instituições que propagandeiam serem capazes de mudar o mundo.

Creio em indivíduos e pequenas atitudes sinceras e desinteressadas.

Creio no poder do desencadeamento de pequenos gestos.

Já que não posso mudar o mundo tentarei ser atento, generoso e gentil.

É aí que mora minha esperança.