A felicidade mora no simples

Padrão
Quando mais novo sentia que era preciso mergulhar na complexidade dos dilemas para quem sabe entendê-los.
Com o tempo entendi que não há fim para as perguntas, que um dilema leva a outro e os paradoxos se sucedem, especialmente porque o infinito não cabe em minha mente finita. Sinto que o absoluto só pode ser compreendido por uma mente fragmentada (como a nossa) fragmentadamente, projetando-se na simplicidade cotidiana. O mistério dos buracos negros na mãe amamentando um filho, as questões mais essenciais sobre vida e morte na beleza de um jardim, os significados do “bem” e do “mal” nos pensamentos de uma criança. A felicidade mora no simples.”… não sou mais tão criança, ao ponto de saber tudo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s