Os mundos que somos

Padrão
Em nossa volta há vários mundos. O mundo das complexidades, das dores, das perdas. Ele reflete nossa fragmentação.
O mundo dos empreendimentos, dos planos, das metas, eles refletem nossas ambições. Há também o mundo da simplicidade. Ele se vincula ao cotidiano, aos encontros, às coincidências, às intuições, ao que normalmente não prestamos atenção. Esse, reflete nossa essência.
Todos moram na gente e todos os mundos de fora refletem os mundos de dentro.
Voltar-se para o mundo da simplicidade significa prestar atenção ao cotidiano, aos encontros, o sol no rosto, a brisa no cabelo, os cheiros bons, os anônimos, os arrepios, as músicas, o som da vida disponível aos sentidos tão intoxicados.
Preste mais atenção nesse mundo, o da simplicidade.
Talvez assim esqueça a desenfreada busca por respostas no mundo das
complexidades. A boa notícia é que, quando esquecer, deixará de
buscar; descansará e talvez um dia, bem lá na frente, perceba
com um sorriso leve, um suspiro suave, uma boa sensação, que
finalmente encontrou. Já estava lá. Há muito tempo. (Livro O menino que anseia pelo céu)simplicity