Os sistemas na gente

Padrão
Nenhuma ideologia, nenhum sistema, nenhum relacionamento sobreviverá com saúde sem a consciência de que não há ideologias, nem sistemas, nem relacionamentos: há humanos. Todos nos refletem, o tempo todo reproduzindo aquilo que somos.
Damos nomes, chamamos de “ismos”, construímos prédios, criamos teorias, formamos identidades, fazemos planos pensando que estamos tratando com algo maior, mas é sempre gente.
Gente é a causa do colapso dos sistemas. Gente é a esperança que os sistemas sejam menos mecânicos e mais humanos. Sempre gente.
Que as instituições sejam apenas ferramentas. A política um meio, as ideologias nada mais do que um jeito de organizar pensamentos, que os grupos humanos não sejam divididos entre “melhores” e “piores”, mas que, em tudo, predomine a consciência de que sempre estamos tratando de gente.
Não são os sistemas, não é o governo, nem a política, nem a religião, nem a sociedade, nem sua família, é você. Cure-se primeiro e depois tudo refletirá.