Sou Hitler, sou Gandhi, sou você

Padrão
Hoje compartilhei no Facebook um vídeo com humanos, muçulmanos, longe do esteriótipo que, sem saber, apenas por conta de um único discurso, aderimos.
Sei que há preconceito, que somos rápidos em julgar, mas confesso que me espantei com a quantidade de comentários do tipo ” são escória e não adianta negar”.
Pensei em como era no tempo dos judeus e nazistas, ou mesmo quando cristãos eram perseguidos por serem minoria. Há tantos exemplos onde a tal humanidade se apressa em condenar etnias e/ou religiões que deveríamos ter aprendido a calar, a amar, a ser gente ao invés de julgar.
Esse vídeo não fala diretamente sobre o assunto, mas fala para essas pessoas, fala para todos nós e nossa tendência a pensar que somos melhores, que sabemos mais, que conhecemos o coração do outro. Sou Hitler, sou Gandhi, sou você. Sinta-se provocado e, antes de apontar quem quer que seja, se enxergue! 

Um pouco mais sobre perdão

Padrão
Perdão não é um aval para que o outro me fira, nem sinônimo de bondade, de “dar a outra face”. Perdão tem a ver com livrar-se do sentimento corrosivo de que foi injustiçado, de que alguém te fez mal.
Pode ser que realmente tenha feito, mas considere que tudo o que pensa está relacionado a perspectiva de onde você está hoje e não necessariamente reflete as complexidades da vida e das relações.
Lembre-se, todo santo é ou já foi diabo para alguém, inclusive você. Perdoar não significa ser amigo, conviver, dar beijinho no rosto, mas seguir adiante em liberdade, sem cultivar em sua consciência a sensação de que tem o “direito” de condenar quem quer que seja. Você não tem. Você quase não enxerga além das próprias causas, como pensa que sabe as intenções do outro?
E depois que perdoar, como lidar com a pessoa? O que fazer? É você quem decidirá, pode ser que retomem, pode ser que não se falem novamente, creio que isso não seja tão importante. O que vale é que, decida por qual caminho decidir, o fará em liberdade, com a leveza de quem simplesmente largou a âncora do rancor e resolveu seguir adiante. Trata-se de uma escolha. Uma escolha sua.