O “bem” e o “mal” dos sistemas

Padrão

Não há ideologias perfeitas. Podem ser lindas no papel, mas, na prática haverá contradição entre o real e o ideal. A história está recheada de exemplos assim, lindos começos, tristes finais.

Nenhum sistema, seja político, social, educacional, religioso é a prova de falhas. Muito pelo contrário, quanto mais de perto enxergamos, mais difícil acreditarmos naquilo. A gente ouve os discursos, conhece as propostas e até compartilha dos mesmos ideais, mas, aproxime-se e enxergará que nem tudo é como aparenta ser.

Não é preciso ir longe. Veja no relacionamento humano. Famílias, casais, amigos, olhe mais perto, conviva por algum tempo e perceberá que nem sempre a aparência de estabilidade corresponde ao que acontece no íntimo. Verá gente tentando encontrar o que sobrou do que um dia foi lindo, mas parece que hoje simplesmente dissolveu.

O fato é que nenhuma ideologia, nenhum sistema, nenhum relacionamento sobreviverá com saúde sem a consciência de que não há ideologias, nem sistemas, nem relacionamentos: há humanos. Todos nos refletem, o tempo todo reproduzindo aquilo que somos.

Damos nome, chamamos de “ismos”, construímos prédios, criamos teorias, formamos identidades, fazemos planos pensando que estamos tratando com algo maior, mas é sempre gente. Sempre.

Gente é a causa do colapso dos sistemas. Gente é a esperança que os sistemas sejam menos mecânicos e mais humanos. Sempre gente.

Jamais resolveremos nossos problemas enquanto não olharmos pelo lado correto e, ao invés de pensarmos que trocando um por outro, uma velha teoria por outra nova tudo resolverá. Não é e nunca foi assim.

Que as instituições sejam apenas ferramentas. A política um meio, as ideologias nada a mais do que um jeito de organizar pensamentos, que os grupos humanos não sejam divididos entre “melhores” e “piores”, mas que, em tudo, predomine a consciência de que sempre estamos tratando de gente.

Seja na condução de um governo ou no relacionamento a dois, recuperemos esse olhar, conscientes que, enquanto não pararmos para nos enxergar individualmente, a coletividade projetará as sombras que me habitam e carregará a “culpa” da desarmonia que sou.

Não são os sistemas, não é o governo, nem a política, nem a religião, nem a sociedade, nem sua família, é você. Cure-se primeiro e depois tudo refletirá.