“Tenho medo de perder as pessoas que amo.”

Padrão

“Tenho medo de perder as pessoas que amo.”

O medo que os amados morram está ligado ao nosso medo de morrer.

Sempre que algum querido vai embora sentimos que vai um pouco de nós, que a vida fica mais feia, incompleta, mas essa é uma percepção nossa.

Queremos a segurança de que todos sempre estarão ao nosso alcance, que poderemos tocá-los, vê-los, acessá-los quando entendermos, mas isso não é possível, por isso, acredito que a aceitação da morte de quem amamos começa com a aceitação de quem somos de verdade. Quanto mais conscientes, mais pacificados.

Quem é a consciência por trás do corpo que envelhece?

Quem dá vida a um esqueleto recheado de órgãos e coberto de carne e pele e, depois de um tempo, quando o que chamamos de vida vai embora, simplesmente apodrece? O que se foi, o que tinha lá?

Quando se enxergar no espelho na próxima vez, olhe em seus olhos e questione-se: quem dá brilho à esses olhos e possibilita que dois globos oculares comuniquem, expressem sentimentos e emoções?

Quem é esse ser que não tem cara, mas ouço como consciência, que habita em mim, me fazendo lembrar que não sou o corpo que morre, mas a consciência que se expande? Como penso essas coisas, como é que me sinto bem além do que esse que enxergo?

Com o tempo aprenderá a reconhecer-se.

Saberá que não é o boneco de carne que aparece no espelho, a pessoa que envelhece e depois morre, porque você pode vencer os impulsos da carne, do corpo, instintos de proteção e sobrevivência e perceber a vida a partir de outra dimensão, não mais a do corpo, mas a do espírito que é você.

É claro que não é de uma hora para outra, estou falando de um processo, uma caminhada que pode durar muito tempo, mas o fato é que a partir do momento em que começa a se perceber para além dos condicionamentos mentais, sua consciência aflora sobre tudo, inclusive sobre quem é você.

Quando isso acontece o medo da morte desaparece e, ainda que você chore a ida dos que ama, ainda que doa, não será empecilho para a paz. Você se entristecerá pela interrupção daquele convívio, mas finalmente entenderá que não há morte. Não é definitivo.

Mudamos nossas formas, alteramos dimensões, mas nada morre, nem as pessoas, nem as relações estabelecidas em amor.

Assim como modificamos nossos corpos e nossos relacionamentos em vida, quando deixamos o corpo experimentaremos outros processos de renovação, mas nada deixa de ser.Por isso a necessidade de viver integralmente em amor. Isso nunca se perde.

Portanto, resolva essa questão ai dentro, perceba-se de fato como ser imortal, desloque seu olhar do corpo, da carne, do sangue, da morte e passe a enxergar a beleza da vida, da renovação, da consciência que é. Você só precisa se enxergar de verdade. Garanto que é um belo de exercício de auto conhecimento, de fé e de pacificação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s