Sem medo!

Padrão

Felizes os que não têm medo de errar. É melhor errar tentando
acertar, movimentando-se, arriscando-se, caminhando,
do que ficar paralisado por medo, sentindo as dores de fixar-se
enquanto a vida não para. – do livro Mensagens que chegam pela manhã

Partes de uma coisa só

Padrão

A descoberta do fato de a felicidade morar dentro da gente, não pode gerar seres fechados e autossuficientes?

Ora, nada pode ser experimentado de verdade se confinado em nós mesmos.
É como o amor, ele vive em nós, não precisamos buscá-lo em ninguém, mas o amor se aperfeiçoa quando compartilhado, quando experienciado.

O fato da felicidade morar em nós não significa que temos que nos fechar, como se nos bastássemos por completo, sozinhos, sem ninguém, especialmente por uma razão: felicidade, amor, paz, consciência, se aprofundam na medida que doamos.

É uma lógica inversa: se eu escondo, diminui, se posso doar, cresce. Você não depende do outro, não busca em ninguém, não projeta em quem quer que seja porque sabe que está em você, absolutamente ninguém jamais será responsável por te fazer feliz, seria algo cruel, sobrecarga desnecessária, portanto, consciente de que é assim, sem esperar nada, apenas compartilha o que é, e as experiencias se somam, as pessoas se conectam, os vínculos produzem algo maravilhoso que alimenta o processo para dentro, enraizando, se adensando e aprofundando em percepções.

Quem busca no outro se enxerga vazio, esse nunca compartilhará. Será um vampiro emocional, alguém insaciável que acredita que um dia encontrá a felicidade aonde ela não está, não olha para dentro, sempre para fora.

Quem sabe o que lhe habita, deixa que as virtudes cresçam para dentro como condição existencial que lhe projetará na consciência de que, quando a felicidade me habita, irradiarei naturalmente no ambiente, quando o amor mora em mim, apenas serei amor e isso produzirá vínculos, jamais autossuficiência.

O ser autossuficiente está fechado. Ele sabe o que tem, mas por qualquer razão nega-se a compartilhar.

Optou ser uma ilha sem perceber que nossas luzes brilham com mais intensidade quando estamos disponíveis.

Portanto, aquiete-se, descubra que há sim felicidade em você, que tudo começa dentro, que não se busca em ninguém o que cresce em você, no entanto, uma vez percebido, sem vampirismo, naturalmente, seu caminho será na direção dos vínculos, das conexões, das aberturas, da pacificação de quem aprendeu que, estamos todos vinculados, somos parte de uma coisa só.