Quem você pensa quem é?

Padrão

E você não é quem aparece no espelho. Muito menos
soldado, motorista, radialista, pastor, padre, cantor, ator,
jornalista, piloto… Você é essa voz sufocada que luta para
resistir, o observador no silêncio, aquilo que chamamos de
consciência.
Você é a sensação de eternidade, apesar da morte.
É a fome de justiça e a dor inexplicável.
É a sede do espírito e a saudade do que não conhece.
É a sensação de estar longe de casa e a vontade de ser
feliz.
É o acolhimento e o desejo de ser útil.
Você é a paz que não se explica e o medo infundado.
É o sorriso do filho e o beijo de quem ama.
É luz, escuridão, vazio, cheio; é a caminhada.
Há um mundo acontecendo agora aí dentro. Um mundo
que nunca acaba e que um dia será um só com o seu, no lugar
onde todos os mundos se encontram e se transformam em
um mundo só.
Cuide se seu mundo. Ele é tudo o que você tem. Ele é
tudo o que você é. – do livro Mensagens que chegam pela manhã

Crescendo com todas as experiências

Padrão

Quem, ao enfrentar um momento difícil, nunca ouviu
a famosa e bem intencionada frase “crescemos com a dor”?

Outros se aproximam e quase sentenciam “se não for pelo
amor, será pela dor”. É possível que a sensação de dificuldade
tenha um propósito, que aquela dor carrega um bem, que não
é por acaso, que facilite a caminhada.

No entanto, o que tenho observado, a começar por mim, e
nos tantos outros que de alguma maneira me relaciono, é que
sutilmente, sem que possamos notar, aos poucos, corremos
o risco de nos moldarmos, como quem projeta na dor todas
as possibilidades de crescimento, até ficarmos dependentes
dela, vinculados, sequestrados, emocionalmente viciados nas
experiências mais difíceis, como se elas nos referenciasse, de
alguma forma, nos avalizasse.

Não é a dor que faz crescer. O que faz crescer é a capacidade
de projetar significados nas experiências, sejam elas de
dor, de alegria, de paz, de amor, ou mesmo as aparentemente
mais insignificantes, mais conectadas à própria experiência cotidiana. Dor sem significado mata.

Alegria sem significado
entorpece.

Amor sem significado cega.

Sei que não posso evitar por completo as experiências
difíceis. Estamos expostos a elas e precisamos que a vida seja
pontuada ora por alegrias, ora por dificuldades, mas posso escolher
viver atento, sabendo que no instante de crescimento,
a lição de vida, a experiência que me fará melhor, são todas
as experiências, a partir do momento que eu puder enxergar
a vida inteira como uma oportunidade.

Não melhoro com a pobreza e nem me torno mais sábio
com a riqueza. Não evoluo com as catástrofes, tampouco me
enobreço com a bonança.

Não é pela dor e não será pelo amor se, em nada disso, eu projetar significado.

Acontecimentos são movimentos da história desprovidos de qualquer carga moral, punitiva ou meritória, aparentemente aleatórios
e sem nenhuma razão de existir, até que eu enxergue, até que
eu me veja neles, até que os transforme em experiência e,
com a experiência, cresça, pacifique a mente e simplesmente
perceba que, no fim das contas, cabe a mim enxergar possibilidades
de amor, seja na alegria, seja na dor.

Estou atento ao
fato de que não há nada que não possa ser transformado em
lição de vida, em ingrediente que me compõe como um ser
humano melhor. Assim será se eu deixar que seja. – do livro Mensagens que chegam pela manhã