Hoje

Padrão

Vivendo no hoje lidamos melhor, inclusive com o arraigado medo do fim – contraste entre nossa intima sensação de eternidade e diária constatação de que um dia vamos embora.  A ideia de fim só cabe no conceito de tempo (presente , passado e futuro). Hoje não termina, hoje é eterno. Quem vive no hoje jamais temerá o amanhã.

Significados

Padrão

Cada acontecimento – chamemos eles de tragédias ou bençãos, não importa – escancara uma enorme e iluminada janela em nossas almas que nos revela, a partir do significado que damos a cada coisa, aquilo que nos habita.

Acontecimentos não carregam em si mesmos elementos ligados a “moral”,”punição”, “merecimento”, “castigo” ou mesmo “lição”, mas em cada um deles há uma oportunidade para que eu me enxergue quando digo “é isso!” e aí me cure, me modifique, me trabalhe até que eu chegue no dia em que absolutamente tudo será motivo de gratidão.

O significado nunca está no que acontece, está em mim. Por isso, para cada um, situações semelhantes significam coisas completamente diferentes.

Para quem se preocupa com o que “os outros” vão pensar

Padrão

Você é do tipo que vive tentando corresponder as expectativas alheias com medo do que os outros vão “pensar” sobre o que faz?

Então reflita comigo: as pessoas sempre “pensam” alguma coisa, sempre. Nunca haverá unanimidade nem concordâncias absolutas.

Tentar corresponder as expectativas alheias lhe transforma em marionete, sequestra, jamais permitirá que viva. Esqueça isso.

Veja meu caso: tenho um blog, alguns livros, vídeos, falando sobre desconstruir-se, criticando sistemas, indo na contra mão do discurso religioso vigente.

Muita gente gosta, talvez você seja um deles, mas tenho certeza que se assustaria se eu resolvesse dizer quantas criticas, as vezes ferozes, recebo regularmente.

E se eu me preocupasse? O que faria? Tudo o que faço é seguir meu caminho em consciência, atento às minhas motivações, mantendo a paz como árbitro de minhas escolhas. Nem sempre acerto, mas sempre tento, não para que os outros pensem “bem” , mas pela integridade que faço questão de priorizar em tudo o que sou.

Não faço pelo que os outros pensarão, mas procuro responder as demandas do meu caminho em amor e consciência, ainda que ninguém concorde, mesmo cheio de críticas, mas isso não posso evitar. Portanto não seja cruel consigo, liberte-se do “pensamento” dos outros. Ficar preso na teia de juízos alheios é letal!

Acredite, “os outros” não sabem o que pensam, não sabem quem é você, suas motivações, aliás, nem sabem ao certo quem são.

Quem vive “pensando” sobre os outros, julgando suas atitudes, deveria olhar mais para si mesmo, para, quem sabe, enxergar um pouco da própria feiura que projeta no próximo e então finalmente curar-se.

Siga seu caminho em paz, haja conforme sua consciência, seja honesto consigo e responda as demandas da vida em verdade e amor. Isso é mais do que suficiente.

Quanto aos outros? Talvez um dia, de tanto chocarem-se com quem não se preocupa com eles, acabem se percebendo. Coitados, nesse dia levarão um tremendo susto!