Um dia você entenderá

Padrão

Por que tanta pre ocupação? Por que tanta resistência em simplesmente descansar? Deixar que o silêncio seja eloquente, ouvir o que o barulho esconde, perceber no simples, no agora, no cotidiano, na brisa, nos movimentos sutis da vida que projeta no caminho os grande sinais, as maiores lições as respostas que precisamos.

Um detrito sobre o rio

Padrão

No exato instante que você percebe que algo do passado, ou que aparentemente se instalou no nível do subconsciente, influencia suas escolhas, é sinal que, o que estava escondido, foi exposto, mudou de dimensão, como um detrito no fundo do rio que apodrece e sobe a superfície.

Passando de barco sobre as águas, atento, presente, você enxergará e terá todas as possibilidades de tirar aquilo da água , jogar fora e prosseguir viagem. Deixará de ser um obstáculo. Sobre o rio, enxergando, não há mais como apontar para o detrito boiando na água e culpá-lo.

Agora é detrito, está boiando, sem vida e você viu. Isso muda tudo.
Assuma suas escolhas, projete consciência sobre o inconsciente, luz sobre escuridão, caminhe de olhos abertos. Você desenvolverá uma percepção bem mais abrangente, livre dessas “prisões psicológicas”, conectado, não com o que foi e ficou lá, mas ao que é e está aqui, mas saiba, estamos falando de escolhas.

Quando a gente cansa de ser bom

Padrão

Posso me cansar de ser bom, nosso sistema é feito para isso, natural, mas então me recordo do que vale para mim, das desimportâncias que jamais substituiriam o valor da morada que cresce dentro de mim, reflete em meus olhos, vaza em minha voz e se estende inevitavelmente em tudo o que sou.
Isso não tem preço.

Doar, a melhor comunicação

Padrão

Um dia decidi que poderia escolher qual seria o assunto da minha comunicação. No rádio eu falava sobre muitas coisas, mas, nos últimos tempos me sentia pouco a vontade em ser apenas alguém que vende produtos, lê pautas, toca músicas, reproduz notícias que só deixam as pessoas com mais medo.

Percebi que poderia ser dono da minha própria mídia, usar recursos disponíveis na internet para, como costumo dizer, colocar mensagens na garrafinha, lançar ao oceano na esperança de que alguém leia e entenda.

Fiz uma escolha, tudo foi mais longe do que eu imaginava. Hoje minha maior dedicação é para esse trabalho que nem sempre é tão fácil quanto pode parecer. Por várias razões tem horas de questionamentos sobre a intensidade, sobre a necessidade de dosar melhor o tempo que dedico a um trabalho não remunerado com algum que seja, afinal, também pago contas.

Como diz um insight meu que vou re-postar na sequencia desse texto “quando a gente cansa de ser bom” e fala sobre o que esperar, sobre estar pronto a enfrentar as dificuldades que normalmente enfrentam os que decidem semear, jogar fora do sistema, “ser” mais do que “ter”.

Quando isso acontece é preciso recordar que nosso trabalho tem outra natureza, pertence a outra categoria, não se mensura em contas bancárias, reconhecimentos ou facilidades. Trabalhar com vidas, mudando gente, promovendo consciência é algo maravilhoso, de fato um privilégio, inclusive nas dificuldades, inclusive quando parece que só você está remando, inclusive quando a sensação é que quase ninguém entende.

Compartilho abaixo esse vídeo que circula há algum tempo na internet e ilustra muito bem o sentimento que quero passar aqui. Quando decidi que poderia escolher qual seria o assunto da minha comunicação, confesso que não tinha clareza para onde iria, mas uma coisa eu sempre soube: doar é sem dúvida a melhor comunicação.

Portas

Padrão

Enquanto caminhamos, portas se abrem e se fecham diante de nós.

É assim com todo mundo.

Quem nunca teve a sensação de que após uma porta ter sido fechada tudo ficou perdido ?

Mas aí o tempo passa, outras se abrem e você percebe que o fechamento daquela te ajudou a caminhar e chegar até a próxima.

Fatalidade ou oportunidade ? É uma questão de escolha.

O sol nasce igualmente para todos e, por mais que partamos de pontos diferentes, todos tem suas oportunidades na vida.

Saber identificá-las pode parecer mais difícil do que de fato é.

Quando nos apequenamos diante das situações acreditando que mesmo inconscientemente merecemos estar ali, fica difícil perceber que em tudo existe uma explicação.

Nossas vidas são reflexos de escolhas e posturas que tomamos em determinados momentos.

Se escolhas erradas tem o poder de causar destruição, por que não seria o mesmo, só que na condição inversa, com as escolhas certas ?

O problema é que escolhas erradas tendem a nos viciar, a medida que despertam sentimentos como auto piedade, medo, preguiça ou covardia, até chegar ao ponto onde acho que é normal sofrer e, já que é assim, me transformo em credor da humanidade.

O próximo passo é a mágoa.

É nessa hora, quando o tratamento deve ser mais radical, que as portas começam a fechar para que você perceba que com o coração quebrantado e o espírito humilde fica mais fácil identificar as outras que abrirão.

Você pode demorar muito para perceber, mas quando uma porta se fecha, outra sempre abre.

A percepção disso lhe desperta para uma outra realidade onde preguiça, pessimismo, arrogância ou mágoa não tem espaço.

Se uma porta se fechou, você agirá como quem age diante de uma fatalidade ou oportunidade ?

Talvez seja hora de repensar seus caminhos e com toda a sinceridade repensar se teus passos ao longo da vida te conduziram para onde você sonhava.

Sempre é tempo de mudar.

Felizes os que buscam a sabedoria e entendem que, entre portas fechadas e abertas, existem lições e auxilio para todo aquele que realmente quer, afinal de contas, seu caminho é você quem faz.

Entenda que sofrimento não deve ser aceito como merecimento, uma espécie de carma que lhe pune, castiga e humilha sem explicação aparente.

É como aquela “mulher de malandro ” que no ditado popular diz: ” não sei porque estou batendo mas você sabe porque está apanhando”.

O pior disso é quando, por mais que nos incomode, aceitamos o mal a medida que não reagimos diante dele.

Aceito a chicotada porque devo merecer, se a porta fechou só me resta chorar porque a vida é ingrata, se uma oportunidade já não é, vou ficar quieto porque eu nunca conseguiria mesmo.

E assim, de tropeço em tropeço, seguem alimentados somente com o consolo de que “pelo menos todos tem pena de mim”.

Não importa sua idade ou quanto tempo vive a dor. Você está vivo e enquanto vive pode alterar sua história.

Que oportunidade perdida para aqueles que não percebem isso !

Reaja, esmurre, chore, xingue, se revolte, mude absolutamente tudo, mas, deixe de aceitar que portas se fechem sem entrar nas que abrem o tempo todo.

Sempre há uma chance ! O que você está fazendo com as suas ?

É uma simples questão de percepção.

Pense nisso.