Co Incidências: acorde!

Padrão

Co-incidências: Uma mensagem de SMS me acordou às 5h30. O diálogo que se travou me inspirou para esse insight onde falo sobre a importância de nos mantermos acordados para os pequenos sinais, co-incidências que co incidem em nossos caminhos e nos trazem as respostas que não percebermos por estarmos distraídos quase sempre. Dedique os próximos minutos para refletir e, quem sabe, despertar.

O caminho

Padrão

Como encontrar seu caminho? Não se cobre, viva sua vida em paz, use o bom senso, sem culpa, sem angustia, apenas preste atenção no caminho, perceba os movimentos diários e insistentes da vida, de tudo, a terra toda apontando para o simples, está tudo a sua volta, perto, presente, vivo, cada detalhezinho do dia, cada brisa do cotidiano, cada som, cada dia, cada noite, cada silêncio, cada dor, cada alegria, cada conversa, cada momento construído para que você se enxergue, valorize o simples, observe, esteja realmente presente, ame, seja grato, perdoe.

Que tipo de mensagem você é?

Padrão

Mais do que tudo o que você diz, mais do que a fé que defende ou ataca, sua intelectualidade ou sua capacidade de articular ideias, mais do que tudo, a grande mensagem é você. Não é o que você diz, nem o que lhe motiva a bater no peito e afirmar com orgulho, mas, suas escolhas diárias, suas motivações, a energia que irradia da interioridade, ainda que ninguém veja, no entanto, todos sentem e são tocados pela mensagem que você é.

https://soundcloud.com/flavio-siqueira-1/reflex-o-com-flavio

Entenda quem quiser

Padrão

Muitas vezes é nossa busca angustiada por explicações que nos desvia do entendimento. Basta a cada dia sua própria porção e, para cada experiência, um significado específico. Até que você enxergue o quadro inteiro, a pintura terminada, cada sombra, cada tinta, cada mancha, cada risco, sem lógica enquanto eram riscos isolados, tudo virou uma coisa só, o quadro está pronto, a arte, finalmente, se plenificou de sentido. Entenda quem quiser.

Só não perca a esperança!

Padrão

Não te parece muitas vezes que o mundo ficou louco?

É como se as coisas nem sempre se encaixassem, como se a pressa, o entorpecimento de olhar fossem roubando a essência das pessoas. O dinheiro é o norte, o consumismo, a produtividade a qualquer preço e tudo o que isso deriva, como o egoísmo, a violência, a ganância estabelecida em nome da fé, da saúde, da política, do que era para ser bem estar básico do ser humano.

Então, chega determinado dia que você desliga a TV irritado, ou soca o volante ou simplesmente olha no espelho e diz “cansei”.

Como se a caminhada no contra fluxo estivesse no limite e a possibilidade de ser como todo mundo, de desistir, de simplesmente seguir a manada soasse como possibilidade tentadora.

Sei como é. Confesso que tem dias que não quero escrever, que sinto não ter muito a contribuir, como se estivesse tentando apagar um incêndio com uma canequinha. Sei como se sente. Quando isso acontece, não luto contra. Lembro que estamos no mundo das relatividades, que carregamos trevas e luz dentro da gente, que estamos aqui para aprender a amar.

Como não doeria? Como seria fácil? Sim, nada é tão certo e nas incertezas há muita beleza!

A dor faz parte do processo, o inconformismo, o cansaço, a sensação de remar contra a maré também. É normal, é natural, é sinal que você não se tornou um psicopata existencial, do tipo que vê mas não enxerga, que sabe, mas não sente, afinal, nem sempre o mundo é um lugar fácil para viver.

Não são apenas os “insights” que nos elevam, tampouco haverá plenitude enquanto convivermos com tanta dor. Portanto, se esse for seu processo hoje, receba aqui minha solidariedade, meu carinho e minha completa certeza de que isso passa. Sim, acredite, isso passa.

É como acordar com passarinhos cantando depois de uma madrugada de tempestade, raios, ventos e medo. É como estar no meio da multidão em alvoroço e ser regatado por um abraço amigo e acolhedor, como a voz de quem amamos interrompendo ruídos, como um dia de sol depois de semanas de chuva. Como sentir que tudo se perdeu, que não há mais jeito até que um inesperado sinal de renascimento muda as perspectivas.

Quando passa, você percebe que saiu mais forte do que entrou. Isso é maravilhosamente inexplicável! Aos poucos tudo vai ficando claro e a dor fazendo sentido, tudo se encaixando, clareando, harmonizando apesar dos pesares, equilibrando sem que você tenha feito nada.

Só percebeu, só se aquietou, só enxergou.

Uma das coisas mais lindas dos humanos não é a capacidade de lutar, de estar forte sempre, de resistir, de sermos fortalezas ambulantes. Não é ai que mora nossa força.

Nossa beleza está em nossa relatividade, na fraqueza que amanhã se transcende, no choro que, sim, pode acontecer e, quando passa, lava a alma, na dor que nos deixa mais fortes, na capacidade de reconhecer sem medo, sem culpa, sem remorso, nossa própria humanidade e então transcendermos. Sejamos humanos!

Só não perca a esperança. Todos tem direito a dias ruins, é normal sentir que as forças acabam, mas ela volta, melhor, depurada, enraizada. Só não perca a esperança! Há muitas coisas boas ainda no seu caminho. Sei que há. Portanto, caminhemos.

sunrise-morning-mist