De nada adiantará

Padrão

Se minha sofisticação, minha intelectualidade, minha rapidez de raciocínio e facilidade com as palavras, se meu olhar abrangente e percepções depuradas, clareza em identificar as dinâmicas da vida, discernir os espíritos humanos, suas intenções, seus movimentos, sua necessidades, se meu evoluir, minha iluminação, meu crescimento não se estender em direção a simplicidade, se chegar o momento, depois de passar por todos esses estágios, quando eu olhar para trás e perceber que fiquei longe da humildade, que perdi a alegria do simples, a percepção das sutilezas, a dimensão dos vínculos, nesse caso, por mais longe que aparentemente eu tenha ido, tudo o que fiz foi me perder pelo caminho.

Novidade no encontro de Porto Alegre

Padrão

Uma boa notícia: Você já sabe que haverá um bate papo comigo no sábado, dia 31/08 às 18h em Porto Alegre, né? Meu ponto de partida é o de sempre e começo falando sobre “comunicação, espiritualidade e gente”. Depois é a interatividade que norteará a conversa e, sem dúvida, a exemplo do que houve em SP, será uma excelente oportunidade para conversarmos, nos conhecermos pessoalmente, responder perguntas e compartilharmos duas agradabilíssimas horas com gente de religiões, filosofias e pensamentos muitas vezes diferentes, mas que coincidem na sede de melhorar, aprender e evoluir. A novidade é que nesse encontro farei o pré lançamento do AUDIOBOOK do livro O Éden. Quem estiver lá vai poder ouvir de primeira mão trechos da narração que eu mesmo gravei, e, se preferir, adquirir o áudio do livro que tem feito bem a tanta gente. Se você é de Porto Alegre ou pretender vir no dia 31 e quiser mais informações sobre como se inscrever para o encontro, escreva para encontrospelobrasil@gmail.com Vou ficar feliz em poder te dar um abraço! Até lá!

flavio eden audio

 

Tudo o que você é

Padrão

Gosto de prestar atenção nas pessoas e imaginar que ali vai um mundo inteiro.

Em cada um de nós um mundo com suas próprias cores, contrastes, falhas, percepções.

O motorista do carro a frente, a atendente da lanchonete, o segurança do shopping, veterinário do pet shop, garçom do restaurante, dono da empresa, taxista…aquela moça que subiu com você no elevador: se os vê sempre com seus determinados rótulos, saiba ; eles não são o que aparentam.

Se você achava que o zelador do prédio fosse só o Givaldo, mude o jeito de ver as coisas. Nem o Givaldo, o José, Dna Antônia, Fagundes, Coutinho, Padilha, Santos,Medeiros, Lisboa, Silva ,Mota, Gonçalves: vocês não são o que pensam.

Quem você pensa que é ?

O profissional reconhecido se aposentará, o pai dedicado um dia dependerá dos cuidados do filho, o marido e a esposa apaixonados verão seus corpos envelhecerem, o sábio virará pó, e se o inteligente encontrar o Alzheimer ?

Então, você de fato não é o que pensa ser.

Olhamos para os outros e, ao invés de mundos, vemos o jogador, pedreiro, avô, professor…olhamos no espelho e vemos o quê ?

Se você não é o que vê, e nem o que pensa, o que é de verdade ?

Não espere respostas fáceis. Se fosse assim, essa não seria uma questão filosófica milenar.

Nos reconhecemos como gente e aceitamos a transcendência, sabemos que o corpo morre e continuamos a fazer planos, perdemos gente querida e, depois do choro, voltamos a sorrir, vamos dormir angustiados mas, depois de um tempo, a angustia vai embora inexplicavelmente. Que tipo de mundo somos ?

Quando meu filho nasceu a sensação mais forte que tive foi “aqui algo que nunca vai acabar”.

Envelheço, mudo o rosto, corpo, mas continuo aqui. De quem é a voz que fala conosco e reconhecemos como pensamento ? Porque tenho a clara sensação que sou eterno ? É possível explicar o profundo sentimento de unidade que temos com tudo, quando entendemos que o que vale são as leis do amor ?

Em cada um de nós um mundo e esse mundo não acaba, então, cuide do seu.

Não são só os barulhos dos carros, tvs, rádios, vozes, músicas…tem som que sai de você. Pare para ouvir.

Não são só as paisagens, as cores, roupas, formas…tem mais do que isso para ver no seu mundo. Pare para ver.

As coisas não são o que te dizem e muito menos o que aparentam ser.

Você sente que nem tudo se encaixa ? Calma, todos sentem.

Cuide de seu mundo. Ouça no silêncio, veja no escuro, inverta a ordem das coisas; se reinvente.

Tem muita gente querendo que você seja igual a maioria e que seu teto seja baixo, claustrofóbico. Não aceite.

Resista porque em você existe um mundo.

Não o escritório, o apartamento, faculdade, carro, casa…seu mundo é você, preste atenção: seu mundo é você !

E você não é quem aparece no espelho. Muito menos o soldado, motorista, radialista, pastor, padre, cantor, ator, jornalista, piloto…Você é essa voz sufocada que luta para resistir, o observador no silêncio, aquilo que chamamos de consciência.

Você é a sensação de eternidade, apesar da morte.

É a fome de justiça e a dor inexplicável.

É a sede do espirito e a saudade do que não conhece.

É a sensação de estar longe de casa e a vontade de ser feliz.

É o acolhimento e o desejo em ser útil.

Você é a paz que não se explica e o medo infundado.

É o sorriso do filho e o beijo de quem ama.

É a luz, escuridão, vazio, cheio, é a caminhada.

Tem um mundo acontecendo agora aí dentro. Um mundo que nunca acaba e que um dia será um só com o seu, no lugar onde todos os mundos se encontram e se transformam em um mundo só.

Cuide se seu mundo.

Ele é tudo o que você tem. Ele é tudo o que você é.

Tempo da paz

Padrão

Além da habitual preguiça, a segunda feira carrega um sentimento de recomeço, de que a semana ruim, as dificuldades, os pesos da semana passada ficaram lá, barradas no tempo pelo fim de semana. Outros começam o dia útil sentindo-se inúteis, como se tivessem sido violentamente arrancados de um domingo quente e confortável, sem dó nem piedade, caindo no abismo da semana, até que finalmente a sexta feira, atenta, benevolente, complacente, chegue e lhe entregue nos acolhedores braços do próximo sábado. Melhor seria se não alimentássemos esse tipo de percepção, presos ao calendário, sequestrados pelo relógio, dominados pela ilusão de que cada dia é uma ameaça, de que cada acontecimento uma incógnita, uma sentença irresoluta, irreversível, irresponsável, aleatoriamente cruel. Melhor será quando de fato estivermos livres na mente, na consciência, na percepção de que não há tempos e tempos, mas apenas uma dimensão onde posso viver e fazer da vida um dia de paz, ainda que lá fora as coisas estejam atrapalhadas. A esse tempo, o tempo que é, o tempo que sou, eu chamo de hoje. Que esse vídeo lhe ajude a começar bem a semana e lhe traga o tempo da paz.