Deus não está fora

Padrão

O show da “realidade”

Padrão

Não sou de assistir TV.  Prefiro um livro, uma música, um tempo em silêncio.

Aliás, sinto que somos cada vez mais avessos ao silêncio. Vivemos mergulhados nos ruídos. São vozes que saem de todos os cantos, induzindo, vendendo, arregimentando a multidão que cresce em adeptos da pseudo cultura da informação.

Ontem a noite resolvi assistir um pouco de um desses canais de notícia. Violência não sei onde, agressão na cidade, médico preso por fraude, assassinato em família e assim por diante.  Desliguei em poucos minutos pensando nas milhares de pessoas que, sentadas em suas salas, se alimentam desse tipo de informação.

“Mas é a realidade”- argumentam alguns. Sim, em parte. Mas o que geralmente se faz é transformar a “realidade” em pauta, e depois aquilo vira show, é espetacularizado e aumentado exponencialmente para vender anúncios que movimentam caminhões de dinheiro. Quanto mais show melhor. Quanto mais entretenimento, mais dinheiro trará.

O medo hipnotiza e a sensação de que “devo conhecer a realidade” deixa um monte de gente grudada no sofá, olhos atentos e coração a mil, absorvendo aquela “realidade” da TV.

Primeiro vem a pancada da “vida real” e na sequência o “conforto” das empresas de seguro, bancos, planos de saúde, fugas de consumo, todos perfeitamente embalados no break comercial, como taboas de salvação, com trilhas suaves, textos reconfortantes, sorrisos e convites para juntar-se a nós.

Realidade é o que você constrói. Nada é mais real do que aquilo que você se propõe a ser.

Quem enche sua própria mente de medo, fará isso com seu coração. Quem olha para o mau a partir da paz que se instalou no coração, saberá o que fazer. Percebe?

Mas isso só fica claro no silêncio. Não me refiro necessariamente ao ambiente externo, mas principalmente aquele que habita as mentes e corações que não se jogam no fluxo da média, que costuma pensar no que pensa e cuida do que alimenta a própria mente. Quem se aquieta consegue ouvir a própria consciência. Ainda que a “realidade” seja difícil, tudo muda quando mudo o olhar.

É uma decisão, um passo, um caminhar de quem não se deixa levar pelas ondas da “informação” que só distrai e amedronta e, no fim das contas, dificulta o olhar para o que de fato é real e, antes das favelas dominadas, agressões na cidade ou o que quer que seja noticia, mora dentro de mim.

Essa é a realidade que devemos conhecer. Quando mexemos nela, o resto projetará o equilíbrio ou a desarmonia que antes vive em cada um de nós.

O mundo em que vivemos é só um reflexo disso.

pensa ser