Voz de Deus (Livro O Éden)

Padrão

“Não existe uma palavra de Deus, uma voz de Deus, um alerta que Ele esporadicamente faça simplesmente porque sua palavra, voz, alerta ou qualquer tipo de manifestação estão radicalmente ligados a nossas vidas e a maneira como lidamos com ela todos os dias. O tempo todo.” Livro O ÉDEN editora cia dos livros

Felizes

Padrão

Felizes os que aprenderam a ser fracos.

Esses não precisam se impor para conquistar nada porque sabem que pela imposição não se conquista, mas apequenam-se.

Felizes os que aprenderam a se desculpar.

Quando fruto de um coração sincero, a desculpa “des-culpa” qualquer uma das partes, estabelecendo – com a retirada da culpa- a paz.

Felizes os que procuram se alimentar do que faz bem a alma.

Se a boca fala sobre o que o coração está cheio, somos fruto daquilo que nos alimenta, atrai, instiga e motiva. No fim das contas, nossos passos sempre vão na direção daquilo que um dia nos conquistou.

Felizes os que buscam a sabedoria.

Bem mais do que intelectualidade, a sabedoria aguça a capacidade de discernir palavras, ler olhares, interpretar o espirito das coisas.

Felizes os que não tem medo de errar.

É melhor errar tentando acertar do que ficar paralisado por medo.

Felizes os que buscam aumentar sua percepção, desentupindo-se para a voz de Deus na vida, no outro, no mundo.

Quando de fato é assim, naturalmente invertermos o fluxo das percepções até enxergarmos o milagre continuo, constante, presente nas sutilezas do dia a dia.

Felizes os que sabem que os excessos fazem mal.

O equilibrio é sempre melhor que o de menos e o de mais.

Felizes os que sabem que o amor é Graça.

E se Graça é, não há nada que pode aumentá-lo ou diminui-lo, restando a mim vincular-me ao que é, em humildade e perplexidade.

Felizes os que vivem em cada dia seu próprio mal.

Esses olham para as tempestades sabendo que nada carrega em si mesmo nenhum poder moral, punitivo ou meritório, a não ser a possibilidade de despertar em mim o significado de cada coisa.  E assim, cresce em consciência.

Felizes os que entenderam que o valor das coisas não está no tamanho ou no que posso quantificar, mas na essência.

O que chamamos de poder normalmente são projeções. O poder verdadeiro está no relativo, naquele que se enxerga e não foge de suas proprias contradições

Felizes os que buscam conhecimento.

E quanto mais conhecemos, mais abismados com nossa ignorância nos tornamos.

A vida é costruida nas pequenas atitudes e nossa caminhada é reflexo das nossas escolhas diárias, afinal, quando os olhos são bons, tudo a nossa volta iluminará conforme o tesouro talhado na consciência daquele que reconhece que hoje é o único dia para que eu me enxergue.