O Bin Laden que mora dentro de nós.

Padrão

Com a morte do Bin Laden o mundo, e principalmente os norte americanos, comemoram como se fosse fim de copa do mundo.  Para eles o fim do terrorista representa o fim da ameaça, pelo menos daquela que se fazia mais presente no inconsciente coletivo do americano medio.

Osama Bin Laden era um símbolo. Claro, ele existiu históricamente e provavelmente estava longe de ser um ser humano cheio de virtudes, mas acontece que, acima de tudo, ele foi um simbolo criado pelos EUA para justificar sua lucrativa política anti terror. Foi assim com Sadan Hussein, Aiatolá Khomeini entre outros.

Depois dos atentados ao World Trade Center, a industria belica americana faturou como nunca. Fora zeros + zeros + zeros a mais nos contratos que se multiplicaram. Não sei se você sabe, mas, infelizmente a guerra gera lucro.

Foi graças ao simbolo Bin Laden e ao medo que ele gerava que, apesar da impopularidade, George W. Bush foi reeleito, arrastando uma guerra sem sentido, sem razão, mas com muitos “zeros” na conta de alguns.

Não é de hoje que o medo é usado como recurso de domínio. Medo do inferno, de Deus, do chefe, do marido e , por que não, do Bin Laden justifica posturas que de outra maneira jamais seriam aceitas como razoáveis.

Os EUA criaram o símbolo que acabam de destruir. Morre Bin Laden, mas não morre os métodos.

Encerra-se um período, mas não as táticas, artimanhas e caminhos que inserem, a partir do medo, símbolos que personificam algo que não está em uma única pessoa, exercito ou país: O bem ou o mal moram dentro da gente e, enquanto precisarmos projeta-los, seja no que for, nunca estaremos livres das manipulações que nos fazem comemorar achando que a morte de alguém ( seja ele quem for) nos trará dias melhores.

É no coração que nascem os Bin Ladens que moram dentro de nós. Esses só morrem quando a gente abre os olhos.

Anúncios

7 comentários sobre “O Bin Laden que mora dentro de nós.

  1. Closedy

    Pois é, caro Flavio.

    Isso nos remete facilmente à tal lenda indígena sobre a luta ferrenha e constante dos dois lobos que existem dentro de nós.
    Um deles é mau e suas manifestações são: arrogância, pretensão, raiva, inveja, ressentimento, mágoa, tristeza, enfim… as piores possíveis.

    O lobo bom, por sua vez, manifesta paz, verdade, alegria, bondade, humildade e muitas outras manifestações positivas.

    Cada um de nós precisa lidar com os tais lobos. Qual vencerá a luta? Com certeza, aquele a quem nós alimentarmos… 😉

    Novamente, parabéns pela postagem!
    Tenhamos todos nós uma semana EXCELENTE!

  2. flaviosiqueira

    Exatamente ! Que saibamos alimentar o “lobo bom”, sem nos esquecer que o mau nunca morre. Ele adormece e acorda quando o voltamos a alimentar. Abração!

  3. paulo costa

    e onde ou quem será o próximo ‘inimigo’ dos EUA ? irã ? Outro ? aguarde-mos os próximos capítulos . um abraço de um admirador de seus textos

  4. Josi

    É engraçado, pq senti as mesmas coisas qdo vi as cenas de comemoração dos americanos. É no minímo estranho entender uma comemoração q celebra a morte…Por mais tristeza que esta pessoa possa ter causado, acho q deveria ser um momento de reflexão e não um estado de euforia doentio.
    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s