De Brasilia.

Padrão

Cheguei em Brasilia domingo passado. Aqui tudo é diferente: as pessoas, os anseios, o jeito de falar.

Nos dois primeiros dias achei que demoraria para me acostumar, mas parece que estou me encontrando.

Engraçado como as coisas são. Agora a pouco eu estava chegando em Porto Alegre, agora estou no planalto central.

As vezes fico tentando imaginar como seria se pudessemos ver todos os vetores que nos conduzem para cada nova etapa. Eles são fruto da soma do que pensamos, de cada intenção, de cada passo, por mais insignificante que aparente.

É como o vento: ele sopra para onde quer, ninguém sabe de onde ele vem e nem para onde ele vai.

Assim tem sido minha vida.

Ainda lembro claramente da sensação de , ainda criança, sentir a vontade de aprender, sorver da vida e conhecer as razões de porque um dia surgi aqui.

Agora a pouco estava conversando com um colega sobre isso: No fim, vale nossas experiências e o que fazemos com elas, colocando cada uma em seu lugar e usando-as para nos enxergarmos em consciência.

É por isso que estou aqui.

Claro que o desafio profissional me motivou, mas se não fosse esse “algo mais” eu não viria.

São novos passos, recomeço, re-conhecimento de novo.

E que seja para o bem.

Volte mais vezes. Vou te contando como as coisas andam por aqui.