Mudando o mundo.

Padrão


new-york-city-at-night1

Em alguns minutos eu iria sair.

Inicio de noite, me preparava para ir trabalhar e, como tinha algum tempo, resolvi sentar na sala e ligar a televisão que transmitia o telejornal.

As notícias não eram muito animadoras.

Como sempre, falavam sobre a crise no oriente médio, aumento de juros e o caso de uma menininha linda que estranhamente sumiu do quarto de hotel onde passava férias com seus pais e irmãos, sem que ninguém tivesse nenhuma pista.

As imagens dos pais, a foto da menina, as noticias de crises, todas aquelas imagens começaram a me inquietar.

Eu precisava de paz.

Daqui a pouco estaria em contato com milhares de ouvintes, precisava estar bem.

Levantei, desliguei a TV e saí em direção a janela que dava visão para boa parte da cidade.

Era uma noite com temperatura agradável, ventava um pouco, fechei os olhos.

Por alguns instantes, tentei não pensar no que vi no telejornal, procurei esvaziar minha mente, fugir daquelas imagens e ouvir o som da cidade.

Abri os olhos como se estivera alí o tempo todo.

Tudo continuava como antes.

No horizonte as luzes de um avião que se aproximava para o pouso.

As luzes dos carros indo e vindo apressadamente, enquanto nas janelas dos prédios televisores ligados, gente acomodada nos sofás.

No céu as poucas nuvens eram ilumidas pelas luzes das rua, dividiam espaço com algumas estrelas que começavam a aparecer..

Aqueles sons eram velhos conhecidos.

Motores de carro ao fundo, vozes distantes, a vida seguia seu curso.

Naquela hora pensei ” Poxa, está tudo aí. A vida continua e , se não fosse aquela televisão, tudo estaria bem agora”.

Eu sabia que, enquanto estava alí, muitas coisas ruins aconteciam no mundo, mas tinham as boas também, de modo que eu não me deteria em nenhuma.

Se eu poderia escolher, optei por ficar com o que é bom, e deixar que a possibilidade de viver o dia chamado hoje, seja suficiente para que eu me sinta em paz.

Não me esqueci das dores do mundo, nem de minhas responsabilidades diante de cada uma, mas me lembrei que, acima disso, sou responsável por mim mesmo e meu dever é cuidar do meu coração, sabendo que meu olhar pode mudar tudo.