Em casa.

Padrão

Em fração de segundos, revi tudo:

A luz forte, a falta de ar, os cheiros que nem me lembrava.

Os primeiros sinais de consciência, as duvidas, os medos da noite. Ouvia meu choro agudo e suplicante, sabendo que vinha de um tempo que ficou lá atrás, mas agora, para minha surpresa, jorrou como se nunca estivesse ido embora.

Tudo girava.

A velocidade era espantosa, mas o que dava vertigem era a sensação de sair de um tempo e cair em outro, como se todos os tempos existissem ao mesmo tempo.

Sentia como se não houvesse fronteiras, tudo acontecia em um segundo.

Meus amigos ! Lá estavam os primeiros, aqueles que nem me lembrava, depois vieram o Guto , o Nando e o Rafa: todos corriam, gargalhavam, mas não me viam.

Enquanto as imagens se esvaiam como areia, eu ouvia vozes que, por mais que me parecessem familiares, não conseguia identificá-las ou sequer entender o que diziam.

Tinha muito vento também. Quase como se eu estivesse no meio de um vendaval.

De repente era outro tempo: Eu estava em uma estrada a noite, no rádio do carro uma música do Jonny Rivers, meu coração batia descompassadamente.

Antes que pudesse entender o que era aquilo, apareci em uma praça. Crianças brincavam e eu me sentia angustiado.

É como se estivesse voltado a tarde da perda.

Mas não deu para sentir nada tamanho a velocidade em que os cenários se alteravam.

Rostos, cheiros, paisagens, sensações, iam e vinha, quase como uma agulha de uma costureira que fura aqui, passa linha alí, vai e vem até que a costura esteja pronta.

As coisas começavam a fazer sentido.

Passeando entre elas, olhando minha vida daquele ponto, senti como se tudo fizesse parte de uma coisa só.

Olhava as grandes alegrias e as terriveis tristezas como fruto de uma única coisa que, no fim das contas, me trazia até aquela hora.

As imagens foram sumindo.

Me sentia leve e a intensidade das emoções que acabara de reviver estavam diminuindo, cedendo lugar a uma espécie de êxtase.

O vento se aquietou, as vozes se calaram e agora tudo era silêncio e, no silêncio, tinha paz.

Acolhimento. Talvez seja a melhor descrição.

Abri os olhos lentamente e uma senhora grande e negra com olhos penetrantes , sorriso que reproduzia a mais intensa e sincera felicidade veio em minha direção.

Eu não sabia onde estava, mas sabia que era alí o meu lugar.

Ela me abraçou.

“Estive contigo o tempo inteiro, cuidei de você em cada instante e agora você voltou pra casa”- disse a senhora , agora me olhando com amor quase palpável.

“Onde estou ? O que eu tenho que fazer? ” – perguntei confuso, mas quase esperando a resposta que viria:

“Você já fez. Alías, quem fez fui eu e o que eu quero é o que sempre quis: Que você descanse em mim. Tudo o que você viveu contribuiu para que chegasse até aqui.  Essa é sua casa.”

As memórias ficaram para trás. Já não importava mais o que tinha sido porque agora tudo estava no lugar.

-Quem é você ? perguntei.

-Eu sou, e isso basta.

-Eu nunca ví a senhora, mas sinto como se sempre tivessemos sido íntimos.

-Sempre fomos porque você veio de mim. Sua essência é a minha e nunca houve nada que não saisse de mim.-  sua voz soava como música. Quando ela falava, parece que o mundo de aquietava.

– Já nos vimos antes?- eu ainda estava confuso.

– De varias maneiras. Com vários rostos, em varios sons, o tempo todo.

Ela já não tinha mais a mesma fisionomia. Seu rosto já não se parecia mais com homem ou mulher, apesar de traços humanos.

– Você é Deus ?

– Me chamavam assim também.- ela continuava sorrindo.

– Então você é Deus ! concluí.

Ele ( ou ela?) sorriu acolhedoramente, chegou mais perto e disse:

– Sou quem sempre fui. Deus é o nome que escolheram me chamar, mas Eu Sou.  E você é, em mim.

– Ainda não entendo- tive que confessar.

– Você ainda está cheio de conceitos errados. Esperava encontrar um velho justiceiro que agora leria seu juizo e determinaria seu destino eterno. Não sou assim. Nunca fui. Você está em casa e todas as suas angústias passadas tinham a ver com o fato de que estava longe daqui. Mesmo assim, sempre estive contigo e  minha morada sempre foi em seu coração. Não existe separação entre nós.  Nunca existiu.

Eu não conseguia mais falar. Ele continuou:

– Agora é hora de se desvencilhar de suas concepções religiosas. Daqui a pouco você verá muitas coisas que não se parecem com o que via nas casas de pedra, que diziam ser minha casa. Verá muitos homens e mulheres diferentes daqueles que se proclamavam meus embaixadores. Aqui não há limite de tempo e espaço e nem separação. Aliás, sempre foi assim. Experimentará a plena sensação de unidade e saberá que faz parte de tudo.

Enquanto falava, sua fisionomia se humanizava.

Agora tinha rosto de homem com feições palestinas.

– Venha, vou te contar o que quiser saber. Chegou a hora de conhecer a verdade e ela te libertará- Ele caminhava e fiquei olhando por alguns instantes.

Não parecia ser diferente dos outros palestinos a não ser pelo seu olhar que me descortinava a alma.

Ele sorriu. Parecia saber o que eu estava pensando.

Não consegui mais resistir e fui em sua direção sabendo que tinha muito a ouvir:

– Quem me vê, viu o que precisava ver.  Os que são meus, sempre reconhecem minha voz.

Segui caminhando , ouvindo atentamente e, apesar de não saber exatamente onde estava, sentia nitidamente que finalmente estava em casa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s