O vestido da primeira dama.

Padrão

Ontem o mundo acompanhou a posse do quadragésimo quarto presidente americano.

Barack Obama assume um país em meio a crise econômica e a guerras inacabadas, sucedendo um dos presidentes mais impopulares da história dos Estados Unidos.

Em um mundo globalizado, onde os efeitos dos desvios norte americano refletem em todos os lugares, a expectativa era grande em relação ao discurso do presidente que , por sua vez, fez duras críticas a política de seu antecessor e sinalizou uma América mais consciente:

“Nosso poder cresce, não através das armas, mas de nossa capacidade de juntar forças”, disse o Obama.

Diante da importância do evento, me chamou atenção a excessiva preocupação de parte da mídia em relação ao vestido de Michelle Obama.

“Fim do mistério” e “a repercussão do vestido de Michelle” foram algumas das manchetes que li ontem em alguns sites.    016828408-fmmp002

Se a informação deve ser análisada por todos os lados, me desculpe, mas qual a importância do vestido da primeira dama ?

Sem querer ofender a quem esperou ansiosamente para saber se ela viria de azul ou de amarelo, se usaria chapéu ou não, se viria com duas ou oito pulseiras, a sensação que me bate ,é que preocupações desse tipo só ganham tamanha dimensão em um mundo onde a aparência significa tanto.

Para esses, tanto faz que tipo de atitudes terá o presidente diante da crise, como agirá com os soldados no Iraque, se desativará Guantanamo ou não; o que importa é o visual.

Enquanto essas forem nossas preocupações, seremos reféns de nossos olhos que, por sua vez, estarão perdidos em nossa vaidade e vazio existêncial.

Sobre a primeira dama, tem um histórico de superação, além de ótima bagagem cultural, ocupando uma importante posição na eleição do marido.

Mas isso não importa.

Resta saber qual será seu visual nos eventos oficiais e se sua estilista cubana teve razão em querer que a cor do seu vestido representasse o sol.

Para esses, mais do que os rumos do mundo, vale os enredos do BBB.

A razão dos relacionamentos.

Padrão

200427012_ca2bd85e5c

Vivemos em uma sociedade onde, de maneira geral, os relacionamentos são contruidos na base da expectativa do que vou receber: Que proveito posso tirar dos meus relacionamentos, posturas, vida ?

A partir disso, medimos nossas atitudes pensando em como elas poderão ajudar nesse sentido.

Você nunca viu alguém dizer que casou porque quer encontrar a felicidade ?

Ou que aquela amizade poderá abrir-lhe portas ?

Assim, nos relacionamos a partir de expectativas depositadas em possíveis beneficios.

E se você descobrisse que o propósito dos relacionamentos, tem a ver somente com o que você dá as pessoas ?

É só isso que tem propósito.

Na verdade, você só pode se relacionar com as coisas por ter em cada uma delas (e não falo somente de pessoas) a possibilidade de expressar quem verdadeiramente você é.

Essa expressão, permite conhecer-se e, ainda que a partir dos outros, relacionar-se consigo mesmo.

Saiba que, quando age com sua esposa, filhos, amigos, trabalho e com o mundo, na verdade está agindo consigo mesmo.

Os objetos de relacionamento, são só veiculos que permitem que você se expresse, e mostre a todos, inclusive a si mesmo, o que tem aí dentro.

É como se todos os dias você tivesse várias oportunidades para colocar para fora o que tem de melhor.

Ninguém está no mundo com o objetivo de te fazer feliz, a não ser você mesmo.

Se quiser ter uma boa relação com as pessoas, não espere nada delas, mas se cobre para dar sempre o melhor de si.

Experimente olhar para o outro como uma possibilidade de mostrar-se verdadeiramente, permitindo ao próximo reconhecer-se a partir da melhor versão de você mesmo.