Você no desfile de Natal.

Padrão

2178464156_a4a8ecfeed

Tudo o que existe, flui no sentido de nos aguçar percepções.

A maneira como reagimos diante dos acontecimentos, denuncia o que percebemos em nós.

Na verdade, o belo, feio, tenso, feliz , amendrontador, tudo, mora em nosso coração e sou eu e você quem decidiremos qual versão de nós mesmos vamos alimentar.

 Você nunca conseguirá eliminar por completo nenhuma de suas porções, mas, é opção sua qual delas caracterizará você, a medida em que alimenta a uma ou a outra.

Ontem assisti a um belo desfile de Natal em Gramado.

Luzes, música, personagens, fogos de artíficio com aquela incrível cidade como cenário.

Enquanto o evento acontecia, eu via a expressão das pessoas e pensava como seria bom se vivessem sempre assim: como crianças embasacadas felizes em clima de confraternização.

Toda a beleza do desfile só refletiu a beleza de cada um. Não eram os carros, personagens, músicas; eramos nós.

Afinal de contas, se nada daquilo existisse em nosso coração, não nos impressionariamos com nada, por mais grandioso que fosse.

Anjos, soldadinhos de chumbo, reis magos, papai noel, acenavam para o público emocionado que retribuia sem pensar que aquele evento era só um meio para que a beleza de cada um se manifestasse.

Tudo é sempre questão de percepção.

O feio ou o belo, o bem ou o mal, estão em nós.

É por isso que os olhos são as janelas da alma. A forma que você vê, denuncia quem você é.

Felizes os que ainda percebem.