A festa do povo

Padrão
2684940441_77a625dd48
SAO PAULO, SP, 11/04/2008 – Populares aguardam a saida do pai de Isabella Nardoni na porta do 77 DP. (Leo Caobelli / GARAPA) 
Você se recorda da exaustiva cobertura da imprensa, no caso Isabella Nardoni ?
Além dos irritantes analistas e seus prognósticos, determinadas emissoras transformaram aquela tragédia em um verdadeiro espetáculo.
Diante de todas as imagens naturalmente tristes em um caso como esse, sempre vou me lembrar dos “populares indignados”.743842-5065-cp2
Era assim que as TVs chamavam aqueles que, durante dias, iam “protestar” em frente a casa da família dos acusados.
Imagens do protesto : Um senhor sorridente, vestido de Bin Laden dando “tchau” para a câmera, uma mãe arrumada com sorrisinho no rosto se expremendo para caber com os filhos na captação da lente, um rapaz de vinte e poucos anos tocando violão, adolescentes e crianças segurando cartazes com dizeres como “basta”, “chega de impunidade”, nitidamente sem saber o que estavam segurando a medida em que posavam como quem espera os ídolos no saguão do aeroporto.
Hoje, lendo uma notícia sobre um quebra quebra que houve no Rio por conta de um anuncio errado das Casas Bahia, vi imagens do protesto : senhores de meia idade sorridentes segurando cartazes.
Onde está o protesto ? Quem está ofendido ?
Sem entrar no mérito dos casos que citei apenas como exemplo, vejo por aí gente mais preocupada com a festa, procurando o show, em busca de seus poucos segundos de “fama” mesmo que o preço seja um “protesto”.
A “imprensa show” sabe disso e insta aquela massa para que, pelo menos com a câmera ligada, fingirem que estão bravos.
Em casa, famílias de classe média olham aquilo acreditando em tudo, simplesmente porque “eu vi na tv”.
De quem é a culpa ? Onde tudo vira espetáculo, um alimenta o outro, de modo que todos são culpados nesse eterno show de horror onde a notícia em si é só um meio para que a festa comece.
Se somos um povo festeiro, talvez esteja na hora de pensarmos em parar um pouquinho, afinal de contas, no fim da festa, sobra pouca gente para contar.