O inventor do bem.

Padrão

Olhando para o senhor com jeito tímido, fala tranquila e leve sorriso permanente no rosto, não dá para imaginar que alí está um grande cientista.

Mas ao conversar com Takeshi Imai, mais do que um estudioso, o que encontramos é um homem preocupado em colocar a ciência em benefício do planeta e dos que aqui vivem.

Ele não esconde que nem sempre foi assim.

Ainda nos anos 80, foi um próspero empresário no ramo das motoserras. Anos depois, Takeshi sente que é preciso de alguma maneira tentar compensar um pouco do mal que, segundo ele próprio, ajudou a fazer a natureza: “No ano passado, fiquei na UTI com uma grave infecção e quase morri. Quando estava para sair, o pessoal da Sabesp veio falar comigo para continuar esse trabalho de semear as nuvens. Como ganhei uma prorrogação de vida, acho que tenho de ajudar a humanidade”

Nesse caso, “ajudar a humanidade”, consiste em um método que acelera a precipitação de chuvas sem uso de produtos químicos, simplesmente borrifando, através de um avião, micropartículas de água na base das nuvens.

A técnica é empregada na área dos Sistemas Cantareira e Alto Tietê da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), responsáveis pelo abastecimento de 14 milhões de pessoas.

Se o mundo ainda lida com o fantasma da falta de água, a técnica revolucionária pode, sem dúvida alguma, fazer muito bem.

No entanto, mais do que um grande benefício científico, quero valorizar onde um homem pode chegar quando resolve fazer alguma coisa.

Takeshi Imai vive literalmente com a cabeça nas nuvens.

Aos 67 anos pensa o tempo todo em maneiras de melhorar a vida das pessoas e, entre seus inventos, uma espécie de ponte que pode ser construida com baixo custo em pouco mais do que um fim de semana.

Conheci Takeshi em Bragança Paulista, através do meu amigo Alexandre Loureiro que é comandante do “avião que faz chover”, fiz uns vôos com eles (video abaixo) e desde o primeiro papo me identifiquei com seu jeito simples e ao mesmo tempo visionário.

A imprensa o tem descoberto e faz muito bem !

Em tempos de tanta crise e descrédito, é bom saber que gente como ele e todos da ModClima começam a sair do silêncio e mostrar a todos que com inteligência, humildade e trabalho, é possivel ir muito longe.

Mais sobre o trabalho do Takeshi: http://www.mundorecord.com.br/play/52be7ad3-72cf-4985-a01c-376e7a5ba9c5

Mod Clima

E-MAIL: “Você envergonhou o Evangelho”

Padrão

“…Desculpe-me a franqueza mas voce poderia melhorar o nível de seus argumentos.

No embate com o leitor ateu, pareceu-me complacente a maneira que concordastes com muito o que ele disse.

Perdoe-me amigo, mas o que fizeste foi relativizar ao próprio Senhor dos Senhores quando deste credito a lenga lenga do questionador.

Caso não conheças, informe-se, porque hoje é possivel encontrar no mercado uma vasta literatura que aborda a fé sob o prisma da ciência e nos fornece argumentos consistentes para embates entre crentes e ateus haja vista que existem argumentos suficientes para provar a existencia do Senhor cientificamente.

Se queres fazer defesa do Senhor, estude e reforce seus argumentos para que o evangelho não seja envergonhado…”

 

 

Resposta:

 

 

Sabe, desde criança adoro olhar para o céu a noite.

 

Agora que moro em um lugar onde tem céu ( porque em SP não podemos mais ver estrelas) voltei a essa prática que me remete a outra condição: quando vejo aquela imensidão suspensa, me lembro de como somos pequenos.

 

Você tem alguma noção do infinito ? Sabemos tecnicamente que é algo que nunca acaba, mas consegue imaginar o que é isso de fato ?

 

Tem alguma idéia de onde termina o espaço ou como tudo começou ? Existem teorias cientificas , mas nenhuma consegue explicar de verdade.

 

Sempre que me detenho olhando para o infinito, alimento uma profunda sensação de unidade ao mesmo tempo em que me conscientizo de quão pouco sabemos.

 

Por mais que procuremos respostas na tentativa de vincular ciencia e fé, o que tenho aprendido é que existem outras portas de percepção que ainda desconhecemos por completo, se não fosse assim, como explicar racionalmente sentimentos que temos ao longo da vida ?

 

Se é possivel explicar as reações quimicas ou sujestões psicologicas que fomentam o amor, quem pode dizer de onde ele vem ou porque existe ?

 

Sabemos como a saudade mexe com o corpo, mas o que é de fato ?

 

Neurótico é aquele que deixa de experimentar e se preocupa com as explicações.

 

Não tenho a menor preocupação de “fazer defesa do Senhor” simplesmente porque ele não precisa de advogado.

 

Para mim “embate” em nome de Deus gera “combate” entre homens e mulheres que, no fim, guerreiam para provarem quem tem razão.

 

Será que não aprendemos ? Há séculos fomentamos “embates” e a que conclusão se chega se não a de reforçar entre os dois lados que são donos da verdade ?

 

Triste quando um pequenino homem se acha no dever de formular “defesa” de Deus e, sabe porque ?

 

Se Deus não existisse , seria inútil, e, diante da existência Dele, seria descabido e desnecessário que aquele que É, precise de meus “argumentos”.

 

Evangelho não é o conjunto de livros contidos no novo testamento bíblico, mas um espirito que deve ser internalizado e colocado em prática.

 

Não vive em folhas, mas no coração e, se praticado, nunca será envergonhado.

 

Diante disso prefiro descansar com respeito ao pensamento do próximo, dando a ele o direito de crer (ou não) no que quiser, sem que isso alimente em mim o “guerreiro” que “em nome de Deus” se abastece de “informações cientificas” para “argumentar” em “santos embates”.

 

Não precisamos disso.

 

Para aquele que É, basta que eu seja Nele, e pronto.

 

Argumentos, religiões pit bulzadas, pregadores rosnando, ateus vociferando aparente contradições em textos bíblicos, fiéis da fé e da anti fé na defensiva, uns querendo provar aos outros quem tem razão, se sentindo na condição de advogados de Deus, não me atraem porque, para mim, basta a certeza de que o que É, é de fato, e isso não depende de mim ou de você.

 

Prefiro olhar o céu, viajar pelo espaço e sentir que, acima de nossas produções raivosas, tem paz de espirito e vida de verdade.

 

Deus não precisa de advogado e , apesar de fé e ciência poderem conviver pacificamente, não podemos provar uma com a outra.

 

Cada um acredite no que quiser e que seja capaz de sustentar em seu dia a dia as implicações da sua própria escolha: se isso gerar pacificação, que assim seja, pois uma árvore boa sempre produz bons frutos.

 

Se quer mesmo “advogar” algo, que seja em nome dos necessitados, injustiçados e humilhados que cruzamos todos os dias e deixamos de olhar enquanto formulamos nossos argumentos para “embates” em nome de Deus.

 

Afinal de contas, ao invés de “guerras santas”, saiba  que amar ao próximo e ser luz na vida, produzindo conciliação e paz de espírito é a melhor maneira de viver sua religião.

 

O que passar disso, faz mal, esquizofreniza a alma e adoece o coração.