Porque não tenho religião.

Padrão

Quem acompanha o blog, já deve ter percebido o quanto procuro me manter distante das religiões.

Na minha opinião o problema é conceitual a medida em que a proposta é de “religar” (religare),  dando a entender que, o que precisa de religamento, está desligado.

Estamos todos desligados de Deus (ou o nome que quiser) e para que a conexão se restabeleça : a religião.

Cada uma propõe um caminho: Da abstinência ao dinheiro, dos sacramentos as leituras, da caridade aos mantras…São tecnicas,fórmulas, ensinamentos; os “7 passos para Deus”.

Com o passar do tempo, por conta de inúmeros excessos cometidos em milhares de anos, a palavra “religião” foi se desgastanto.

“Ciência”, “revelação”, “modo de vida”,”cultura” e assim por diante, indicavam que, se o nome mudou, o espírito continua o mesmo: “Junte-se a nós e conheça a verdade.”

Você sabia que a maioria das referências das principais religiões do mundo, não tinha a intenção de criar uma religião ?

Sim, de Jesus a Buda, a mensagem era outra.

Jesus falava sobre isso.

Dificil ouvir esse nome e não associá-lo imediatamente ao cristianismo, mas ele não era cristão ,católico ou evangelico.

Estranho que o nome que mais associamos a religião, foi, em seu tempo, um dos seus maiores opositores.

Quando encontrava os “pecadores” era cheio de compaixão a ponto de ser criticado pelos religiosos por “comer com prostitutas”, mas , quando encontrou com os que lucram com a fé, fez um chicote e os colocou para correr.

Ele falava sobre a Graça e a impossibilidade de, por méritos próprios, sermos reconhecidos por Deus simplesmente para que ninguém se orgulhe.

Ia a festas, sorria, chorava e lidava com gente.

Ensinou a agir com a consciência de quem sabe que seu caminho é fruto do que você escolhe ser, não por medo ou ameaças, mas por amor e inclusão.

Hoje é visto como ícone do cristianismo e da religião, de forma que, em seu nome, se comete toda sorte de absurdos.

Não foi isso que ele ensinou.

Falava dos lirios dos campos que são cuidados sem nada fazer, dizia que seu reino não estava fora, mas dentro de cada um, não fazia apologia as igrejas pois deixou claro que “onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, alí estarei”, sem templos, culpas, penitências, sacrificios, mas o caminho sempre pela via da consciência, baseado no entendimento de que Deus, de fato, é amor.

E se é amor, dizia ele, não precisamos ter medo de Deus. É quando se desconstrói a imagem do Deus vingativo, vaidoso e mal, que impõe para aqueles que pensam e questionam a punição eterna.

Olhava para as crianças e as dava como exemplo, descomplexificando qualquer tentativa de teologizar o que simplesmente é.

Não precisamos dos rituais.

Seu poder não vinha do dinheiro e seu caminho era nas praças, ruas, praias…Falava com simplicidade.

Sua mensagem era a antítese do poder e luxo do vaticano ou da ganância de pastores da teologia da prosperidade.

Não pregava a pobreza, mas lembrava que a riqueza é perigosa.

Quando estimulado a usar influência política com a visibilidade que tinha, dizia que seu reino era no coração.

Apesar disso, ainda predomina o entendimento de que é preciso nos religarmos. Dificil explicar: apesar de ser o que somos, continuamos conectados.

É só olhar para dentro e perceber que, mesmo que ninguém nunca nos ensine nada disso, a percepção de que é assim vive em nosso coração e se manifesta sempre que temos acesso ao que é bom.

Os fios e cabos que nos conectam estão aí, nunca serão cortados, então seja honesto, procure agir com misericórdia e se baseie sempre na lei do amor.

Isso basta a medida em que tudo o que você fizer para se conectar, lhe garantirá no máximo efeito terapeutico, porque, de fato, não há o que fazer.

Se é assim, melhor descansar, sem culpas, caminhando no entendimento de que, não nos templos ou nas ONGS, mas no coração que permaneceremos enternamente conectados.

Sem neuras, sem fardos, em paz.

Leia também:

  https://flaviosiqueira.wordpress.com/2008/08/22/fe/

Lições do Jesus Histórico e o Cristianismo: https://flaviosiqueira.wordpress.com/2008/10/01/licoes-do-jesus-historico-e-o-cristianismo/

Bono Vox e a graça.

Padrão

” eu nunca tive problemas com Cristo, mas os cristãos sempre me deram dor de cabeça”.

Bono Vox.

Enquanto a chuva cai.

Padrão

Madrugada.

Enquanto a cidade dorme, um temporal cai em Porto Alegre.

Escrevo ao som de gotas e trovões, fecho os olhos e ouço a sinfonia da natureza.

Gotas pesadas caindo nos telhados, água, vento, descargas elétricas no céu.

Todos dormem.

De manhã levantarão sem saber que, enquanto descansavam, o céu mandou a água sempre bem vinda.

Amanhã o ar estará mais puro, as plantas regadas e, se não fosse pela calçada molhada, ninguém saberia.

Mas é assim mesmo.

Enquanto dormimos, as composições da nossa vida vão se formando.

 Sem saber, a pessoa que você espera, a situação que depende, o contexto de alívio estão acontecendo em algum lugar, de modo que , você só saberá quando sentir as primeiras gotas.

Descanse porque a chuva virá.

E, mesmo que agora você não veja, ao acordar sentirá o ar mais leve e perceberá que as calçadas estão molhadas.

É só não estragarmos as coisas.

Padrão

Se não estragarmos as coisas, as chances de dar certo são grandes.

Somos nós em nossa afobação, na intranquilidade da alma que produz desconfiança com tudo e com todos, quem impedimos os processos naturais que nos conduzem para o bem.

É do nosso sentimento de onipotência, nossa crença na auto suficiência e falta de percepção da vida, que vem a fome, as dores e males que assolam a nós e a natureza.

Pagamos o preço por nosso apetite insaciável.

Se soubessemos que está tudo encaminhado. Que não era para ser assim…

Entenderiamos que é preciso descansar. Que a confiança não é tolice e que não somos onipotentes, pelo contrário: o mais poderoso dos homens não sabe se amanhã voltará a ser pó e, nessa noite, pode ser assombrado por seus próprios medos.

Saberiamos a hora de aquietar, de olhar para a tragédia que se anuncia com o coração pacificado de quem sabe que, no fim, tudo coopera para o nosso bem.

É só olhar com olhos de ver.

Se é assim para os pardais, se entre os peixes não há Bill Gates, se a natureza e o universo são sustentados em harmonia, porque precisamos de afobação ? Porque a desconfiança de que com você é diferente ?

Qual o seu teto ?

Padrão

Qual o ponto onde você trava ?

A fronteira que nunca passa ?

Quando olha para sua vida, consegue identificar os padrões que são definidos por suas limitações ?

Todos temos um teto.

Não que ele estivesse sempre alí, mas fomos nós, com nossos medos, vícios, culpas, complexos, taras, inseguranças… que o construimos.

Olhe seu histórico e veja que geralmente quando chega naquele ponto as coisas “travam”: esse é seu teto.

Uma barreira que, no seu inconsciente, definiu a fronteira impossível de ultrapassar. Aí, suas escolhas, caminhos, companhias, amigos, trabalhos, terão como referência sua dimensão apequenada, limitada em seu teto.

Todos temos.

Para uns mais alto, outros nem tanto, mas ele está sempre alí.

Diante disso, o desafio é identificá-lo e depois superá-lo.

Onde você trava ? Porque muitas vezes você não consegue seguir o ritmo que gostaria ?

Se o teto é fruto dos medos, comece a enfrentá-los tendo em mente que você não precisa da culpa como companheira. Não há caso onde ela é necessária.

Lembre-se que você nunca terá a aprovação de todos, então esqueça essa preocupação.

Livre-se do peso morto e voe alto.

Acima do teto, novas possibilidades e a oportunidade de ser alguém melhor.

Qual o seu teto ?

Coisas que fazem mal, quando você faz bem.

Padrão

Por Caio Fabio

As afirmações abaixo são verdadeiras.

Se você gosta de evitar fazer o mal, não leia.

Caso você deseje fazer o mal, leia.

Se você é bom, leia com atenção. Pode ser que você mude de idéia acerca de você mesmo.

Havendo dúvida, leia assim mesmo.

Havendo certeza, não perca seu tempo. Leia outra coisa.

Não havendo nada para fazer, faça o bem.

Se você não sabe o que é bom, olhe no espelho, abra a janela, beba água, ande, coma, beba, ame, e não se sinta culpado por gostar dessas banalidades. Faz bem!

Preparado? Não fique demais. Não há nada maravilhoso e nem tampouco novo sendo escrito aqui.

Leia então:

 

1. É mal fazer o bem para todo aquele que é mau. Ele o odiará pela maldade de seu bem.

2. É mal pensar o bem acerca de quem só concebe o mal. Ele usará você sem escrúpulos.

3. É mal desejar que o Bem aconteça a quem o inveje por você ser bom. Ele o julgará superior e o invejará com todo ódio.

4. É mal realizar o bem a quem tem complexo de inferioridade em relação a você. Ele crerá que você o está humilhando.

5. É mal não fazer nada de mal a quem só deseja o mal a você. Ele não agüentará a sua não-resposta às provocações.

6. É mal ajudar o covarde quando ele está em desvantagem. Ele pensará que você é cúmplice.

7. É mal fazer o bem aos que tudo vêem como impuro. Sua bondade será interpretada como frouxidão.

8. É mal fazer o bem aos que o adulam. Eles pensarão que sua bondade é pagamento e tentarão ampliar os negócios com sua alma.

9. É mal fazer o bem a quem não ama. Ele nunca acreditará em você.

10. É mal fazer o bem a quem cobiça. Ele desejará seu bem a serviço dos interesses dele.

 

Bem, já que é assim, dê uma surra de bondade no mundo!

Transgrida esses princípios sempre. Será para o seu Bem. Espero que você seja incorrigível.

Seja esse pecador. Peque esse pecado. Sofra desse mal. Você está condenado!

Graças a Deus!