Exposição a mídia: pensar não é pecado.

Padrão

Nunca estivemos tão expostos a informação.

Sejam notícias nacionais, internacionais, esportivas ao conteúdo segmentado em profissões, preferencias, estilos de vida. Se você pesquisar, encontrará na web gente abrindo fóruns para discutir se o azul é mais bonito que o verde, se a barbie é lésbica ou se o homer simpson é fiel.

Na mídia eletrônica, especialmente na TV, a preocupação com a “divisão do bolo” na comunicação é grande.

Pesquisas indicam que, em poucos anos, o horário nobre mudará para a hora do almoço a medida em que grande parte das pessoas acessarão o conteúdo da TV, via celular ou aparelhos portáteis, tornando os receptores objetos de museu. Com essa mudança de plataforma, mudará o conteúdo, necessariamente mais objetivos e segmentados.

A busca pela atenção em meio a tantas informações, faz com que, não só a razão, mas a emoção seja a porta de entrada para aqueles que querem conquistar espectadores,ouvintes,leitores,eleitores…

Nada errado. Já escrevi aqui que, se existem milhares de maneiras para dizer as mesmas coisas, porque não escolhemos as melhores ?

Fugir das meras estatisticas, do didatismo e seguir em direção ao coração, através da emoção, pode fazer bem.

As mensagens cantadas, tendem a criar mais impactos social dos que as faladas, por exemplo, porque mexem com áreas do nosso cerébro que o tom de voz professoral e uníssono geralmente não chega.

Acontece que “emoção” não está só ligada a sensibilidade mas também ao medo, a dependência e a incapacidade de relfexão.

Não preciso lembrar dos comunicadores que ficam horas mostrando tragédias entre ” Não aguentamos mais isso” , “o povo precisa ser ouvido”, “estou aqui para proteger os humildes” e assim por diante.

O que nem todos sabem, é que, quando as cameras desligam, os “defensores do povo” saem do seu estúdio em seus caríssimos importados, pensando no contraro, audiência (medida minuto a minuto),e repercussão da imagem, enquanto o povão desliga a tv com mais medo do que antes.

Não que a realidade seja muito diferente ou que devemos fechar os olhos para o que acontece mas, se a contestação não vier acompanhada de propóstas, vira só xingamento.

É pela emoção que líderes religiosos arrendam canais de tv ou emissoras de rádio por quantias astronomicas em nome da divulgação de uma fé que, na essência, é revolucionaria a medida em que inverte a ordem das coisas e coloca o que eles mais prezam (imagem, dinheiro,poder) fora da lista das coisas boas e necessárias. 

Estão no ar, divulgando endereços de templos, fazendo chantagem emocional e usando tecnicas de hipnotismo enquanto, movidos pela emoção e esperança de uma vida melhor, o povo os segue e ajuda a sustentar a pesada máquina.

Nos noticiários o que vemos é uma divisão entre interesses admitidos ou impublicáveis, através de matérias questionáveis e visivelmente tendenciosas.

Se é a era da imagem, o povo compra como verdade simplesmente porque “eu vi na tv”.

Muito mais do que você imagina, fabricam verdades, mudam contextos, criam padrões, invetam tendencias em nome da vaidade e do apego pelo poder.

Criam necessidades, despertam os desejos e apresentam suas soluções, enquanto nós,gratos, estamos lá, assistindo, nos distraindo e comprando.

Compramos para nos esquecermos do medo, buscamos poder para sermos imortais, corremos atrás do vento porque no fundo, o medo da morte mos move.

Estamos expostos a informação.

Seja na tv, rádio, jornais, internet…vozes, das mais agressivas as mais sutis, dizem o que você deve temer, ser, almejar, conquistar e, com medo de pensar, simplesmente aceitamos porque a maioria aceita: ” Se todo mundo aceita é porque deve estar certo”, pensam, e assim alimentamos uma máquina que,por sua vez, se alimenta de sonhos e do medo.

Preste atenção.

Procure ler, ver, ouvir de outro jeito. Sem paranóias, tente identificar o que existe de interesse escondido naquela informação e aprenda a discernir os espirito das coisas.*

Nesse caminho não tem volta e a cada dia estaremos mais expostos.

Se é assim lhe restam duas escolhas : ou você se posiciona e aprende a questionar ou simplesmente segue a maioria.

Questionar não é crime e pensar não é pecado.

Por onde você prefere andar ?

 

*Leia aqui no blog link relacionado ao assunto : https://flaviosiqueira.wordpress.com/2008/09/05/o-espirito-das-coisas/

14 de outubro de 2008: Dia do contato ?

Padrão

Tenho acompanhado na web, fervorosas discussões em torno de uma possível aparição de naves extra terrestres amanhã.(14 de outubro de 2008)

Para quem não leu, a australiana Blossom Goodchild teria recebido uma mensagem dos ETs ligados a uma entidade chamada “Federação da Luz”.

Segundo Goodchild, esses seres estariam preocupados com o rumo que temos tomado e, principalmente, as consequências de possiveis acordos entre nossos governantes e alienigenas do mal interessados em oferecer tecnologia em troca do acolhimento de sobreviventes de planetas destruidos e habitantes fruto de experiências hibridas entre humanos e extraterrestres.

A mensagem aplamente divulgada no youtube, sites e correntes de e-mails, explica que muitos verão as naves por alguns dias, porém sem contato com os ETs que, no primeiro momento, querem deixar claro que virão para nos ajudar.

Sem entrar no mérito da fé alheia, somente algumas considerações:

Apesar de termos em nós todas as condições de melhorarmos as coisas, insistimos em esperar o milagre que vem de fora.

Se trabalhar por um mundo melhor exige renuncias e dedicação, melhor delegar a seres de outros planetas essa tarefa.

Alimentados pelo medo, misturado com misticismo e expectativas do desconhecido, estagnamos olhando para o alto a espera de uma nave que virá nos libertar, sem levar em consideração que o aprisionamento e, por consequência a liberdade, é sempre produção das minhas demandas internas, e não o contrário.

Se a luz dissipa as trevas, ao invés de nos iluminarmos, somos levados por qualquer tipo de discurso com promessas de paz.

Deixamos de olhar para o coração, onde o medo e a força co-habitam, e corremos atrás de todos os que se aproximam com discurso de libertação.

Nosso exterior, tende a reagir como antítese dos cenários inconscientes. É por isso que os salvadores da pátria geralmente mascaram outros interesses que pouco tem a ver com o que dizem.

Longe de mim querer especular sobre a existência dos extra terrestres. Particulamente falando, acredito que tudo é possivel, apesar de não me conformar com as explicações sempre cheias de misticismo e fortemente limitadas a nossas referências e supertições, moldadas ao pouco conhecimento que temos sobre tempo e espaço.

Tenho minhas teorias, qualquer dia escrevo sobre o assunto mas, não se trata disso.

Sinceramente, não se preocupe com as naves, afinal de contas não é das nuvens, mas do seu coração e disposição em fazer a diferença é que poderemos ter alguma esperança.

Continue caminhando,cuide-se e não seja levado pelo vento. Finque seu pé na sabedoria e, em dias de loucura, procure ter discernimento.

Com naves ou sem naves, o caminho da consciencia sempre é o mais seguro a seguir.

O que houve na noite passada ?

Padrão

O que houve na noite passada ?

Não. Se você sentiu calor,frio, teve sede, acordou de madrugada, levantou cedo demais, não é isso que quero saber.

Por exemplo, quando o relógio marcava 3:04AM, onde você estava ?

Talvez já estivesse deitado, provavelmente no quinto sono, mas, isso é o máximo que consegue me dizer ?

Se o dia tem vinte e quatro horas e em cada uma delas seu corpo preenche um espaço na existência, o que eu quero saber é: o que houve exatamente com você na última madrugada?

Quando vamos dormir, saltamos no escuro. Se durante o dia você tenta manter as coisas sob controle, sabe que, ao deitar, não controlará mais nada.

Seus sinais diminuem, suas pálpebras pesam, pensamentos se confundem e o rico empresário, pobre porteiro, garçon, engenheiro, ator, costureira, médico, mendigo…todos se igualam.

Deitados, na cama ou no chão, nos despimos daqueles que tentamos convencer aos outros que somos.

Olhos fechados, corpo inerte, sem poses ou imagens a não ser aquelas que habitam no inconsciente.

Onde está o doutor ? Cade o famoso, abnegado, virtuoso fulano de tal ?

Nas ruas pouca gente. Quase não se ouve passos e a agitação das grandes cidades cede lugar a calmaria.

Centenas, milhares, milhões deixaram de interferir.

Durante algumas horas estarão vulneráveis, enquanto o mundo continua girando e a existência em pleno curso, estarão entregues as divagações do inconsciente e ao repouso do corpo.

Serão assombrados, resgatarão fragmentos de pensamentos, terão insights, enquanto rostos, vozes, situações, lugares e tempos se misturam sem que você entenda o porque de tudo aquilo.

Não importa quem você pensa que é, ninguém resiste ao fechar dos olhos e ao desligamento da consciência.

Hora do inconsciente que insinua, aproxima, envolve, domina, guia e trás de volta sem que você saiba por onde esteve.

Na manhã seguinte tudo o que lembraremos é que: tive mais uma noite de sono.

O arrogante e o humilde, gênio ou débil, rico ou pobre, despertarão em seus corpos e, a luz do dia, representarão seus papeis sem lembrar que, daqui a pouco, seremos todos iguais.

O que houve na noite passada ?

Enquanto você não falava, o mundo continuava a girar, sem seu trabalho, a lua cumpriu seu papel, em sua viagem ao inconsciente, tudo estava no seu devido lugar.

Onde estava mesmo minha importância ?

Somos todos iguais, feitos do mesmo material e todos os dias somos forçados a lembrar disso.

Na noite passada houve mais uma entrega ao desconhecido, silêncio e encontros com a profundidade dos pensamentos, viagens ao secreto… na noite passada, você estava igualzinho aos que despreza.

Se o dia tem vinte e quatro horas, lembre-se que, em boa parte delas, nada nos diferencia, só para lembrar que não temos controle de nada a não ser a possibilidade de fechar os olhos, esquecer os pensamentos e simplesmente se entregar.

Quando aprendo a me entregar, deito e relaxo. Fecho os olhos em paz, sabendo que amanhã terei mais uma oportunidade no tempo da minha consciência.